Você está aqui: HomeFornecedor de TINotícias do FornecedorAtualidadesBancos podem perder US$ 280 bi em receita de pagamentos até 2025, aponta relatório da Accenture

Bancos podem perder US$ 280 bi em receita de pagamentos até 2025, aponta relatório da Accenture

Publicado em Atualidades
30 Setembro 2019

Por outro lado, à medida que os pagamentos digitais continuam a crescer, os bancos podem aproveitar a oportunidade de US$ 500 bilhões em novas receitas de pagamentos se adotarem modelos de negócios inovadores

Até 15% da receita global de pagamentos dos bancos, o equivalente a US$ 280 bilhões, provavelmente serão deslocadas pelo crescimento dos pagamentos digitais e pela concorrência de instituições não bancárias, à medida que os pagamentos se tornarem mais instantâneos, invisíveis e gratuitos, de acordo com o relatório Banking Pulse Survey: Two Ways To Win da Accenture.

O estudo constatou que a receita global de pagamentos provavelmente crescerá a uma taxa anual de 5,5%, de US$ 1,5 trilhão em 2019 para mais de US$ 2 trilhões até 2025. Somente bancos que transformarem seus modelos de negócios para adotar as mais recentes tecnologias e se concentrar em fornecer mais valor agregado em serviços para seus clientes capturarão uma fatia dos US$ 500 bilhões em crescimento adicional de receita.

O relatório é baseado em um modelo de análise de risco de receita desenvolvido pela Accenture para medir tendências de métodos de pagamentos entre consumidores e projeta mudanças no comportamento, tecnologia e regulamentação dos agentes de mercado. A análise é complementada por uma pesquisa com 240 executivos de pagamentos em bancos de 22 países para determinar como planejam mitigar e capitalizar sobre a disrupção nos modelos de pagamentos para aumentar a lealdade de clientes, receitas e lucratividade.

"Em vez de estar na vanguarda da nova onda do crescente mercado de pagamentos, os bancos estão sentindo a pressão da nova concorrência e vendo suas margens apertarem", avalia Gareth Wilson, líder global de pagamentos da Accenture. "Enfrentamos um mundo em que os modelos de pagamentos instantâneos, virtuais e gratuitos são inexoráveis, o que gera desafios para os bancos que não querem perder espaço nesse mercado. Mas também apresenta oportunidades de explorar um novo modelo de negócios baseado nesse avanço do digital".

O relatório aponta que, nos próximos seis anos, os bancos enfrentarão uma pressão adicional sobre as receitas de transações e taxas de cartões, com os métodos livres de impostos colocando em risco 8% da receita de pagamentos. Além disso, a concorrência de instituições não bancárias em pagamentos invisíveis – por meio dos quais os pagamentos são concluídos em uma 'carteira virtual' em um aplicativo ou dispositivo móvel - colocará em risco 3,9% das receitas bancárias. A substituição do cartão por pagamentos instantâneos, em que os fundos são liquidados e transferidos em tempo real e os bancos oferecem pouco ou nenhum juro, é projetado para colocar um risco adicional de 2,7% das receitas de pagamentos.

O cenário se baseia nos atuais declínios em receitas de transações e taxas de cartões, em que a regulamentação vem desencadeando a compressão de taxas e a tecnologia, substituindo o papel dos bancos nos novos modelos de pagamentos. Entre 2015 e 2018, a receita das transações de cartão de crédito de clientes corporativos caiu 33%; a receita de transações com cartão de débito de pessoa física caiu quase 15% e a receita oriunda de cartões de crédito caiu quase 12%.

A pesquisa mostra que o setor está ciente dos desafios colocados pelas novas tecnologias em pagamentos. Mais de dois terços (71%) dos executivos entrevistados concordam que os pagamentos estão se tornando gratuitos; quase três quartos (73%) acreditam que a maioria dos pagamentos já é invisível ou o será nos próximos 12 meses; e ainda mais executivos (78%) disseram que os pagamentos já são ou se tornarão instantâneos nos próximos 12 meses.

"O boom digital significará que os bancos precisam mudar fundamentalmente a maneira de pensar sobre a composição de receita", afirma Alan McIntyre, que lidera globalmente a prática bancária da Accenture. "Canais por meio dos quais os bancos outrora faturaram bilhões de dólares deixarão de existir. Para ter sucesso no futuro, os bancos precisarão desenvolver novos modelos de negócios digitais em escala, com pagamentos em um clique como nova norma e focados em oferecer experiências seguras, convenientes e práticas para o cliente".

Em resposta a esses desafios-chave do mercado, quase um em cada cinco (18%) entrevistados disseram que a principal prioridade do banco é aumentar a segurança nas transações de pagamentos de varejo. Quase um quarto (22%) citou os centros de inteligência artificial, robótica, machine learning e inovações em pagamentos como os principais recursos tecnológicos de plataforma necessários para adaptar seus sistemas centrais a fluxos de pagamento contínuos e de alta velocidade.

A Accenture conduziu a pesquisa on-line com 240 executivos do mercado de pagamentos corporativo e varejo nos maiores bancos dos seguintes países: Austrália, Brasil, Canadá, China (continente e Hong Kong), Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Malásia, México, Noruega, Cingapura, Espanha, Suécia, Tailândia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos. A pesquisa foi realizada entre 14 de fevereiro e 10 de março de 2019. A margem de erro geral é de +/- 1,55 pontos percentuais no ponto médio do nível de confiança do 95º percentil.

 

Entre para postar comentários