Digital Dexterity no coração da estratégia

O termo “Digital Dexterity” (na livre tradução “destreza digital”) pode parecer estranho ou novo, mas, na verdade, já foi bastante discutido. Em 2015, despertou grande interesse no Gartner Digital Workplace Summit, realizado em Orlando (EUA). Na visão do evento, o Digital Dexterity começou a evoluir na esteira de um ambiente de trabalho em transformação.

Portais, redes sociais corporativas, sistemas de gestão de conteúdo, Nuvem, aplicativos móveis orientados por voz e muito mais vêm desenhando um ambiente corporativo digital, em um movimento natural de empresa e de colaboradores (usuários digitais), inseridos em um mundo conectado e móvel.

Mas essa arquitetura caminhou para um objetivo maior: a Digital Dexterity. Segundo o instituto de pesquisas global Gartner, para chegar lá, a empresa tem de ser ágil e contar com pessoas capacitadas para lidar eficazmente com "trabalho dinâmico e não rotineiro".

No início deste mês, o termo Digital Dexterity ressurgiu com força em mais um evento da companhia do qual participei, o Gartner Symposium /ITxpo 2017, também em Orlando (EUA). As apresentações enfatizaram que o principal papel das pessoas na transformação digital é ajudar as organizações a alcançarem a destreza digital e competir efetivamente.

No entanto, para isso, é necessário compor times que tenham destreza digital – profissionais colaborativos, ágeis, analíticos, inovadores e criativos. “Pessoas com capacidade e desejo de explorar tecnologias existentes e emergentes para obter melhores resultados comerciais", disse a analista do Gartner Tina Nunno.

Mas o que significa destreza digital? Segundo o Gartner, é uma estratégia de negócios projetada para incentivar a agilidade e o engajamento da força de trabalho, promovendo a autonomia dos colaboradores e construindo um ambiente de trabalho consolidado. Nesse cenário, os líderes digitais devem avaliar a destreza digital de sua organização para implementar uma estratégia com o objetivo de atrair a melhor combinação de talentos.

A Digital Dexterity, portanto, não é um jargão interessante e curioso – é o pilar de um moderno ambiente de trabalho digital. Sendo assim, é altamente estratégico construir um ambiente corporativo flexível e ágil, que abrigue força de trabalho flexível e igualmente ágil para o sucesso da organização.

Muito além do digital

A estratégia de construção do digital nas empresas envolve variadas análises para que a transformação aconteça de maneira clara e efetiva, alinhada à evolução e à cultura do negócio. Mas, sem dúvida, a Digital Dexterity é um grande aditivo para a criação de uma nova cultura, que deve residir em um novo design organizacional, contemplando um mix de talentos.

É preciso mudar internamente para mudar externamente. A cultura de Digital Dexterity, segundo o Gartner, deve ser sustentada por três blocos nessa construção: tecnologia, engajamento e diversidade.

Para se tornar uma empresa digital, é vital ter capacidade para usar com assertividade a tecnologia e habilidade para criar valor por meio dela. Dominar a tecnologia não terá valor algum se a sua aplicação não estiver alinhada aos objetivos do negócio. Empresas que investem fortemente em tecnologia e na organização do seu desenho de atuação estão mais preparadas para superar seus competidores.

Mas entendo que a “destreza” é chave e deve existir independentemente da tecnologia porque é uma questão de perspicácia, talento para pensar além do lugar comum, agilidade, capacitação e inteligência coletiva. Assim, certamente, o digital pode ficar mais simples.

(*) CEO da Resource