Aeroportos brasileiros necessitam aprimorar oferta de Wi-Fi gratuito

A demanda por internet móvel e Wi-Fi em todos os lugares cresce vertiginosamente. Não seria diferente em grandes centros de transporte onde os passageiros desejam permanecer conectados. Os viajantes usam seus smartphones para acessar as atualizações sobre viagens em tempo real, utilizar aplicativos, ou até mesmo trabalhar enquanto aguardam por seus trens, ônibus, metrôs e aviões.

 

Esses locais devem atender a estas expectativas crescentes, oferecendo uma rede Wi-Fi robusta e que não traga problemas indesejados como baixa capacidade e pouco tempo de conexão.

Quem tem o hábito de viajar, seja por lazer ou trabalho, provavelmente está acostumado a enfrentar horas de filas em aeroportos aguardando pelo embarque. E, quando a viagem tem conexões ou o voo atrasa, a espera tende a se alongar ainda mais. Em ocasiões como essas, um bom acesso à internet pode fazer toda a diferença.

E alguns aeroportos se preocupam mais que outros em oferecer essa comodidade a seus passageiros. É o caso do Aeroporto Internacional de Bangkok-Suvarnabhumi, na Tailândia, que surpreende com a primeira posição do mundo em qualidade de Wi-Fi público, segundo ranking elaborado pelo site Rotten Wi-Fi.

Entre os dez primeiros colocados na lista estão cinco aeroportos europeus, três asiáticos e dois dos Estados Unidos. A América Latina não tem nenhum representante entre os Top 10. Embora o ranking não represente todos os aeroportos do planeta, contém aqueles que possuem fluxo mais intenso de passageiros.

Já a Pesquisa Permanente de Satisfação do Passageiro, realizada pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República do Brasil, registrou no quarto trimestre de 2015 o maior índice de satisfação já medido desde que essa pesquisa começou a ser realizada, em janeiro de 2013. De acordo com o último relatório, 85% dos entrevistados consideraram “bons” ou “muito bons” os 15 terminais que movimentam 80% dos passageiros no Brasil.

Desde dezembro de 2014, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) começou a instalar rede Wi-Fi grátis nos aeroportos da rede. No início, o serviço estava acessível somente em nove terminais, mas deve abranger todos os aeroportos administrados pela empresa.

Os aeroportos precisam oferecer Wi-Fi da mais alta qualidade garantindo a alta capacidade de conexão e menores falhas de sinal.

Mas além de um Wi-Fi que forneça as melhores conexões, os aeroportos também precisam otimizar a experiência do usuário. A solução de serviços baseados em localização, LBS, permite aos aeroportos e postos de serviços localizados dentro dos aeroportos otimizar o seu marketing e tráfego de clientes.

Com esse tipo de tecnologia os centros de transporte podem monetizar suas redes Wi-Fi ao atrair os viajantes com promoções e anúncios direcionados para quiosques e restaurantes enviados diretamente para seus dispositivos móveis. Bom para o usuário e bom para os postos de serviços.

A acessibilidade ao Wi-Fi público no Brasil ainda está engatinhando, ainda precisa melhorar muito, expandir as redes sem fio robustas que suportem altas densidades, proporcionando assim as melhores conexões. Mas a tecnologia existe e é capaz de atender essa demanda. E a Ruckus está pronta para esses desafios.

(*) Diretor Regional da Divisão da América Latina da Ruckus Wireless