Técnico de TI: qual o momento certo de contratá-lo?

Até que ponto a empresa pode contratar um técnico sem periodicidade fixa sem que isso prejudique o andamento da rotina? Quando é melhor terceirizar o serviço e quando investir em um funcionário permanente? 

A contratação de um técnico de TI é fundamental dentro de uma empresa, afinal há tempos o computador é o instrumento número um de trabalho em qualquer departamento. Porém, uma dúvida é quanto a necessidade de se contratar um funcionário desta área ou terceirizar prestadores de serviço. O diretor de operações da Sr. Computador – franquia especializada na manutenção de computadores e venda de produtos de tecnologia – Rogério Pereira, esclarece as dúvidas como quais departamentos internos demandam mais o serviço de um técnico, como o número de máquinas deve influenciar na escolha da contratação e também os valores estimados que seriam gastos na demanda do serviço para empresas de cada porte (micro, pequeno, médio e grande).

- Existe algum número de máquinas específico ou aproximado para que a demanda de um técnico interno seja fundamental?
Em um parque de informática, geralmente, 50 máquinas já justificam a presença de um técnico próprio. Mas este número depende muito do tipo do segmento da empresa e da qualidade e idade dos equipamentos.
Quanto mais complexo o segmento, menos máquinas justificam presença do técnico. Quanto mais velhas ou de menor qualidade as máquinas, também maior será a demanda de serviços.

- Há algum departamento que demande a presença do técnico com mais frequência?
Todos os departamentos hoje em dia estão consumindo horas deste técnico. Eu destacaria um em especial, que esta com uma maior demanda pela novidade do processo, que é o departamento de faturamento e contabilidade. Devido a nota fiscal eletrônica e a obrigatoriedade do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), estes dois setores demandam uma integração muito grande com o pessoal da TI.

- O número de funcionários/máquinas da empresa influencia no valor da contratação do técnico interno?
O que muda na realidade é a complexidade das empresas. Quanto maior, mais complexas serão as necessidades e as ferramentas utilizadas em suas operações. E quanto mais especializado for o técnico, maior será o seu custo. Por isso dentro da Sr. Computador criamos várias faixas de valor de hora trabalhada, sendo que o valor da hora é determinado a partir da especialização do técnico.

- Qual seria a média do valor a ser pago por uma microempresa (até 10 funcionários), pequena (de 11 a 100), média (de 101 a 500) e grande (acima de 500) para um técnico que fizesse a vistoria três vezes por semana?
Em média valor/hora, até 10 funcionários, R$ 50,00; até 100, R$ 120,00; até 500, R$ 180,00; acima de 500, até R$ 350,00 a hora.

- Qual a frequência recomendada para as visitas de um técnico, uma vez feita a contratação?
Aproximadamente uma visita por mês por máquina. Exemplo: em um parque com 10 maquinas, é indicado um pacote com 10 visitas em um mês. Lembrando que isso é uma média. Algumas máquinas irão apresentar mais defeitos e outras menos.

- O valor do pagamento permanece fixo ou varia de acordo com o serviço que o técnico prestou no determinado mês?
O que existe na realidade são vários técnicos com níveis diferentes. Mas o valor de um mesmo técnico permanece sempre fixo.

(*) Diretor de operações da Sr. Computador, franquia especializada na manutenção de computadores e venda de produtos de tecnologia.