O que aprendi com chatbots no mercado B2B

Chatbots são uma grande carta na manga para as empresas que buscam evolução no relacionamento com o novo consumidor final ou cliente. Apesar de não parecer uma solução nova, para atingir todo o seu potencial, exige constante manutenção tecnológica e não apenas investimento em dinheiro, mas também de tempo, para que o time amadureça com os erros e acertos ao lidar com essa tecnologia.

 

A prova que estamos este mercado está constante evolução é um estudo realizado no Brasil pela consultoria Cedro Technologies. O levantamento aponta que 90% dos processos corriqueiros podem ser realizados por chatbots, e 87% dos usuários que passaram pelo atendimento por um robô classificaram a experiência com Inteligência Artificial (AI, na sigla em inglês) como "ótima". O poder dessa tecnologia dará um grande impulso para as empresas e os mercados que souberem aproveitá-la ao máximo. E estamos falando de qualquer tipo de negócio: pequenas, médias e grandes empresas, tanto do mercado B2B quando do B2C.

Atualmente, várias instituições financeiras globais como os bancos Bank of America e Capital One, investem em chatbots para realizar tarefas corriqueiras a seus clientes, como transferências bancárias, consultas de saldo em conta, localização da agência mais próxima, entre outros. De acordo com o relatório Customers 2020: The Future of B-to-B Customer Experience, produzido por outra consultoria, a norte-americana Walker, o atendimento automatizado eficiente será a primeira opção para diferenciar uma empresa de seus competidores em apenas dois anos, até 2020.

Quando o assunto é atendimento ao consumidor final, os bots já facilitam a comunicação entre as marcas e as pessoas. Agora, como fica o atendimento entre empresas? As possibilidades continuam sendo muitas e difusas. Por meio de um software que gerencia as trocas de mensagens de forma automatizada, estes robôs conseguem realizar pedidos de segunda via, solicitações de acessos e, dependendo da complexidade do pedido, até sabem quando acionar um profissional do time de suporte, porque entende que a resolução da demanda exige o trabalho de um humano. Tudo isso, de forma extremamente rápida, o que melhora consideravelmente a experiência de quem está do outro lado da linha (ou da tela).

Aqui na Linx, líder e especialista em software para varejo, o lançamento dessa tecnologia aconteceu em 2018 com a LAIS, acrônimo para Linx Artificial Intelligence Service. Ela é uma assistente de atendimento virtual, que em apenas oito meses de uso, já resolveu 96 mil chamados, o equivalente a cinco pessoas de um time trabalhando full time.

Durante implantação e piloto, iniciamos o mapeamento dos casos de maior recorrência nas operações de Suporte da Linx aos clientes. A LAIS, então, foi treinada para atender sete tipos de serviços prestados pelas áreas administrativa e financeira. De um universo de 110 mil chamados por mês, atualmente a robô tem potencial de solucionar ao menos 30% deles.

Mesmo com números bastante expressivos, todo tipo de investimento na ferramenta precisa ser constante, para que ela atinja seu potencial. Uma das primeiras lições aprendidas depois da implantação da inteligência artificial foi a importância da escolha do fornecedor, pois esse é um caminho sem volta e trocar no meio do caminho sem gerar indisponibilidade é um trabalho muito preciso e complexo.

Para o futuro, a Linx planeja transformar a LAIS em um canal de vendas mais direto e prático para seus clientes. Para isso, estuda aplicar técnicas de AI em conjunto com as metodologias de Robotic Process Automation (RPA) e Digital Twin of an Organization (DTO) integradas com meios de pagamento, para aperfeiçoar a produtividade de diversas áreas dentro da companhia, como faturamento, contratos, financeiro e contabilidade. Dessa forma, os times poderão investir seu tempo em tarefas menos repetitivas e mais desafiadoras.

Atualmente, os bots já não seguem exatamente o script de um atendimento engessado e artificial, e se aproximam cada vez mais de um atendimento humano. A evolução da tecnologia deve ser acompanhada, para que a evolução e os frutos desse atendimento sejam cada vez melhores. Os chatbots não podem parar.

(*) Diretor de TI e Engenharia Corporativa da Linx.